As Heranças Malditas deixadas por gestões municipais desastrosas

No âmbito da língua portuguesa herança é o nome atribuído ao direito ou condição de herdar, ganhar, obter ou conquistar algo por via de sucessão; ou seja, transmitido de alguém para alguém, embora muitas vezes seja algum patrimônio deixado por um ente querido.

Mas a herança que estamos falando não é essa, mas sim as deixadas por muitos prefeitos em suas administrações municipais para seus sucessores, em especial, a “herança maldita”, àquela repleta de dividas que os gestores perdedores no pleito municipal de 2016 deixaram para seus adversários vencedores.

A cena é a mesma a cada 4 anos, os que saem deixam dividas para que o sucessor descasque o abacaxi. Normalmente são os salários dos servidores atrasados, débitos com o INSS ou outros órgãos federais, obras paralisadas, enfim, um caos administrativo total.

Mas de quem é a culpa disso tudo? A resposta parece óbvia, a culpa é do gestor que deixou essas dividas por pura birra política, ou só para ter o que falar do adversário quando este assumir a prefeitura. Mas acredito que a resposta vá além desse raciocínio maquiavélico, aliás, um livro que muitos políticos devam ter em suas cabeceiras na cama.

Trabalhando há 5 anos com o marketing político, um novato ainda na área, posso notar que essa é uma tendência arcaica que ainda persiste em nosso Estado, “deixar para o próximo os pepinos de hoje”.

E o que os novos gestores que assumiram há dez dias devem fazer com relação a isso? É preciso antes de tudo clareza perante aos seus eleitores, apresentar a população os problemas administrativos e financeiros “herdados” da gestão anterior, e ser humildes em pedir ao povo mais um voto, dessa vez o de confiança para arrumar a casa.

Mas aí que vem o perigo, ao testar a paciência já curta da população, porque após esse primeiro momento, será necessário muito jogo de cintura dos atuais governantes para que também apresente a solução, ou seja, será preciso imediatamente esquecer a herança desastrosa deixada por seus antecessores, caso contrário, a sua gestão terá o inicio turbulento e quando começa assim todos nós sabemos como será o fim desse mandato.

Por fim, podemos concluir que ainda falta aos nossos políticos à decência de honrar os seus compromissos até o último dia de mandato, mesmo que para isso, precise amargar o sabor de uma derrota nas urnas, porque somente a população é punida com essas heranças malditas.

 

Jornalista Político,

Tarcísio Filho

[email protected]